quarta-feira, 31 de maio de 2017

A relação promíscua entre as indústrias alimentícia e farmacêutica

Fonte

Quem abre um pote abre uma mexerica.

Jogar fora a casca biodegradável, que serve de adubo e melhor preserva o fruto, e substituir por pote plástico, tampa e rótulos, multiplicando o custo do produto por algo que demora o mesmo tempo para desembrulhar.
Quem abre um pote abre uma mexerica.
Preguiça, falta de respeito com a Natureza ou falta de inteligência? Você decide.
#masterfail

Flávio Passos

terça-feira, 30 de maio de 2017

Como doenças são criadas para aumentar o faturamento com a venda de medicamentos

As doenças inventadas
Você já ouviu falar na “Síndrome de Sissi”? Trata-se de um transtorno descoberto, ou melhor, inventado em 1998, na Alemanha, que ocorre supostamente quando pessoas depressivas encobrem seu abatimento com um comportamento ativo e positivo diante da vida. Ou seja, quem é ativo, pratica esporte, tenta levar uma vida positiva, estaria doente e precisaria ser tratado com medicamentos. O nome “Síndrome de Sissi” foi dado a essa “doença” psíquica por causa da imperatriz austríaca Sissi, que, segundo os “inventores” desse transtorno, teria sido muito ativa para compensar sua depressão.

1 coisa, 2 perspectivas

Fonte

segunda-feira, 29 de maio de 2017

O que podemos aprender com os que estão morrendo? - 12 lições de vida de um homem que já viu 12.000 mortes

O que podemos aprender com os que estão morrendo?

Kashi Labh Mukti Bhawan em Varanasi é uma das três pousadas na cidade onde as pessoas fazem check in para morrer. [...] Fundada em 1908, Mukti Bhawan é muito conhecida dentro e fora da cidade.

Bhairav Nath Shukla é o gerente do Mukti Bhawan há 44 anos. Ele já viu ricos e pobres refugiarem-se na pousada em seus últimos dias, enquanto esperam a morte e anseiam encontrar paz. Shukla anseia com e por eles. Ele senta-se em um banco de madeira no quintal, contra um muro de tijolos, e compartilha comigo 12 lições de vida recorrentes das 12.000 mortes que ele testemunhou em sua experiência como gerente do Mukti Bhawan.

A Ciência e o Budismo estão de acordo: não existe nenhum “Eu” dentro da gente.

Embora o Buda não tenha ensinado anatta para as pessoas leigas – achando que poderia ser confuso demais – o conceito está centrado na ideia de que não existe um “Eu” independente. A ideia de que somos a mesma pessoa de um momento para o outro, de um ano para o outro, é uma ilusão. Thompson afirma que “o cérebro e o corpo estão em um constante fluxo. Não há nada que corresponda à sensação de que há um “Eu” que não muda”.

A ideia de que somos a mesma pessoa de um momento para o outro, de um ano para o outro, é uma ilusão.

É válido assistir um vídeo seu do passado ou ler algo que você tenha escrito alguns anos atrás. Seus interesses, pontos de vista, crenças, apegos, relacionamentos, etc., tudo mudou em algum sentido. Anatta não significa que você não existe; significa apenas que você está constantemente mudando, constantemente evoluindo, e tomando formas diferentes. Por que isso é importante? O que importa se não há um “Você” ou um “Eu” sólido?

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Precisamos falar sobre "ataques de falsa bandeira" - Thomas de Toledo

Precisamos falar sobre "ataques de falsa bandeira". Ontem, tudo indica que o impostor Michel Temer infiltrou "black blocs" no ato do #OcupaBrasilia. Eles usavam bandeiras dos partidos de esquerda, mas não acatavam a orientação partidária de protesto pacífico e faziam pichações descontextualizadas do tipo "morte à burguesia". A senadora Vanessa Graziottin (PCdoB-AM) denunciou em plenário que eles passavam ao lado da PM munidos de paus e os policiais nada faziam. Parecia que a polícia dava cobertura a eles. Mas o que mais surpreendeu foi a velocidade para editar, publicar e fazer o lançamento do decreto evocando a lei de "garantia da ordem" para mobilizar as Forças Armadas para reprimir protestos. Parece a velha tática de criar o problema já com a "solução" pronta, sem dar tempo de debate. Caso fique comprovado que o ataque dos black blocs foi forjado para manter as Forças Armadas mobilizadas durante a votação das reformas, Temer terá cometido crime de alta traição. Ele, que não foi eleito e quem tem a rejeição de 90% da população deve ser deposto e preso por mais este crime contra o povo brasileiro. #ForaTemer. #DiretasJá!

Ana Maria Primavesi e a Agroecologia

Ana Maria Primavesi estudou na Áustria, país onde nasceu e viveu até se casar. Lá, pôde estudar com grandes nomes da agronomia, como o professor Kubiena e o professor Sekera. Mas foi o professor Johannes Görbing que lhe despertou o olhar para a questão das deficiências minerais, um pesquisador de campo que, numa excursão de campo, mostrou àquela menina que o acompanhava que as plantas respondiam ao solo, uma obviedade que nem sempre ficou tão clara. A perspicácia daquela jovem foi unir fatores que se estudam isoladamente, compondo um sistema dinâmico, como ela sempre diz.

Em 1946, um ano após o término da Segunda Grande Guerra, casou-se com o também engenheiro agrônomo Artur Primavesi, e resolvem, dois anos depois, vir para o Brasil. Demorou um pouco para ela voltar a se dedicar à agronomia, porque os filhos vieram, mas conciliava a maternidade ajudando o marido e participava de projetos que ele se envolvia. Mudaram-se algumas vezes. De cidade em cidade, Ana foi conhecendo índios, agricultores, curandeiros. De novo, agregou saberes. Salvou o marido da febre amarela quando todos os infectados morriam. Incansável, lutou com todas as “plantas” que sabia terem algum efeito sobre o fígado, e até hoje não sabe se foram as plantas ou a ordem que usou para salvá-lo, mas ele ficou bom. 

Filhos crescidos, volta a dedicar-se com mais afinco à agronomia, e lança o livro que seria considerado o marco da agroecologia: “Manejo Ecológico do Solo”. Planeja e consegue desenvolver o projeto do primeiro filme sobre a vida do solo que se tem notícia, uma ferramenta didática que desvenda a difícil tarefa de se compreender a dinâmica dos micro seres que vivem no solo. Ana Primavesi foi mostrando ao mundo seus saberes, foi ensinando às pessoas que o solo é vivo, e que, em solos tropicais, é preciso vivificá-lo, ou seja, mantê-lo coberto com matéria orgânica, já que de sua decomposição é que os elementos essenciais serão disponibilizados, ou seja, é a vida do solo que promove a fertilidade.

Foi combatida, ridicularizada. Mas nunca se importou, porque acreditava no que fazia, porque sabia. Passou a ser convidada para aulas, palestras, cursos, assessorias. Ia e não cobrava. Ensinava e aprendia, e com isso foi se tornando maior do que já era. Sua grandeza expandia-se em uma sabedoria agregadora, acolhedora. Falava simples e ensinava de maneira simples, e por isso também foi combatida, acusada de não ter nada de científico no que defendia. O científico deveria ser algo difícil, complexo, inalcançável. Mas não para ela. Explicar o complexo de forma simples fazia de Ana Primavesi um porto seguro para aqueles que amavam sua terra e dela tiravam seu sustento. 

Perguntada se “inventou a agricultura orgânica”, disse que “inventar, não inventou nada.” Ela somente trabalhou dessa maneira, porque é a maneira certa. Aos noventa e seis anos, acumula prêmios e homenagens, mas não gosta muito de recebê-los, defendendo que não se deve ser premiado por se fazer a coisa certa. Mesmo assim, as homenagens são cada vez mais frequentes e os convites incansáveis, porque por mais combatida e criticada que tenha sido, ela estava e está certa. 
O solo é vivo.

*O filme sobre a vida do solo está disponível em: 

Vídeo que mostra ela dizendo que não inventou a agricultura orgânica:

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Visão espiritual da vida - Hugo Lapa

Quando vemos alguém em sofrimento, nossa primeira reação é sempre de dar conselhos que reforcem o lado mundano da vida. 
Seu pai está doente? Calma, ele vai se curar. 
Sua mãe está quase morrendo: fica tranquilo, vai dar tudo certo. 
Quando alguém está triste, nossa primeira reação é: não fica assim não. 
Quando alguém está chorando, dizemos: não chora... 
Quando tudo está mal, dizemos: não se preocupe, vai dar tudo certo.
As pessoas deveriam inverter isso com base nos princípios espirituais dizendo: 
Uma doença? Não se preocupe… Ela vem para te curar. Alguém vai morrer? Ninguém morre… Quando alguém morre na matéria, ela renasce no plano espiritual. 
Você perdeu algo? A perda no mundo abre espaço para o ganho espiritual. 
Tudo está dando errado? Não… Tudo já está dando certo, mas às vezes é preciso dar errado para aprendermos a ver o certo… 
É preciso chegar o mal para o transformarmos em bem.
É necessário que venha a crise para surgir a oportunidade e a abertura de um novo caminho.
Devemos atravessar a escuridão da madrugada para que o áureo alvorecer floresça no dia seguinte.
Uma porta deve ser fechada para que outras possam ser abertas.
A vida humana deve chegar ao fim... 
Para que a vida espiritual possa começar.

5 segredos da felicidade, segundo o 'homem mais feliz do mundo'

"Todas essas habilidades podem ser aprendidas, assim como tocar piano ou jogar xadrez", resume o monge budista Matthieu Ricard.


O monge budista Matthieu Ricard é a "pessoa mais feliz do mundo".
Esse título foi dado por cientistas da Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, que estudaram seu cérebro.
Eles descobriram que Ricard produz um nível de ondas cerebrais de gama sem precedentes na literatura científica.
Essas ondas estão ligadas à capacidade de atenção, consciência, aprendizado e memória.
Além disso, Ricard manifesta um nível de atividade no seu córtex pré-frontal esquerdo bem acima do direito, o que reduz sua propensão à negatividade, explicaram os pesquisadores.
“Felicidade não é a busca infinita por uma série de experiências prazerosas. Isso é uma receita para a exaustão”, diz o monge tibetano.
Mas qual é, na visão dele, o segredo para tanta felicidade? Aos 70 anos, Ricard dá cinco conselhos.

1. Defina o que é felicidade
“Felicidade é um jeito de ser. É um estado mental ótimo, excepcionalmente saudável, que dá a você os recursos para lidar com os altos e baixos da vida.”

2. Seja paciente
“Não seja como uma criança que faz pirraça. ‘Eu quero ser feliz agora’, isso não funciona. A fruta amadurece com paciência e vira uma fruta e uma geleia deliciosas. Você não pode fazer isso com uma fruta verde. Leva tempo cultivar todas aquelas qualidades humanas fundamentais que geram bem-estar.”

3. Saiba que você pode treinar sua mente
“O que você fizer vai mudar seu cérebro. Se você aprender malabarismo, a mergulhar ou a esquiar, seu cérebro vai mudar. Da mesma forma, se você treinar sua concentração, se você treinar para ter mais compaixão, se você treinar para ser mais altruísta, seu cérebro vai mudar, você será uma pessoa diferente. Todas essas habilidades podem ser aprendidas, assim como tocar piano ou jogar xadrez.”

4. Pratique pouco e com frequência
“É como quando você rega as plantas no seu apartamento. Você precisa regar um pouco todos os dias. Se você derramar um balde uma vez por mês, a planta vai morrer. É melhor fazer sessões curtas de meditação com frequência do que uma muito longa de tempos em tempos, porque o processo de neuroplasticidade não será ativado ou mantido.”

5. Não deixe o tédio desencorajá-lo
“Devemos perseverar, porque, às vezes, quando está chato é que uma mudança de verdade ocorre. A regularidade é uma das grandes dicas de meditação e treinamento mental para se tornar uma pessoa melhor, mais feliz e mais altruísta.”

Musicoterapia para ansiedade

O transtorno psicológico conhecido como ansiedade tem sido bem documentado nos anais da história médica. Hipócrates já falava sobre a ansiedade na antiguidade, e a desordem foi confirmada pela primeira vez por Sigmund Freud em 1926.

No mundo de hoje, os diagnósticos de ansiedade estão se tornando cada vez mais comuns, especialmente entre os jovens.

[...]

De todos os tratamentos utilizados para combater a ansiedade, a *musicoterapia* tem sido uma das terapias mais marginais. Mas tudo isso está prestes a mudar devido a uma nova pesquisa sobre a eficácia desta forma de terapia.

[...]

A canção que provou ser a mais eficaz foi chamado de ‘Weightless’ e foi criado por União Marconi com a intenção de induzir o relaxamento nos ouvintes. [...]

Apesar da extrema eficácia desta canção notável, o pesquisador principal do estudo, o Dr. David LewisHodgson aconselhou que ele vem com um aviso de saúde.

Ele disse que a música provou ser tão eficaz em relaxar alguns dos participantes que eles começaram a experimentar sentimentos de sonolência. Por essa razão, ele disse que não é aconselhável ouvir a música enquanto estiver dirigindo.



Fonte e mais informações

Wikileaks revela planos secretos dos EUA sobre o minério brasileiro NIÓBIO



"Araxá tbm é monitorada 24 h por dia, por causa do nióbio. Monitorada pelos EUA. Seus hotéis são sempre abarrotados de estrangeiros. Isso é um abuso à soberania. Eles vigiam e roubam nossas riquezas, enquanto boicotam a nossa capacidade tecnológica de produzir com a matéria prima. Compramos o produto manufaturado da nossa matéria prima por valores astronômicos e não temos o poder de ditar o preço das commodities. Sobre o nióbio, em especial, mais de 45% é contrabandeado. E tem babaca tupiniquim q diz ser mito a preciosidade do nióbio. 
98% das reservas de nióbio se encontra no Brasil. Segundo Enéas, isso poderia nos permitir uma moeda amortizável nele, lastreada. Mas... Pra variar , sai do Brasil a preço de banana. 
O nióbio é indispensável à economia das nações hegemônicas. Ele é indispensável à indústria de guerra. É refratário e maleável, dá liga, firmeza... Enfim, tem propriedade e aplicabilidade singulares. 
Além de Catalão e Araxá, a Raposa Serra do Sol tbm é rica em Nióbio entre outros minérios. Não é à toa que há muita demarcação de terra indígena por lá. Não é à toa q a WWF, O Bird, o Banco Mundial, junto a imprestável Funai lutam pelos Ianomâmis e querem emancipar este território do país, com o consentimento da ONU, braço do Império"

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Como os EUA invadem América Latina?

Honduras, Paraguai, Brasil e agora a Venezuela, como é que os Estados Unidos impõem sua política na região da América Latina?
O ex-presidente das Honduras, Manuel Zelaya, conta sobre o golpe de Estado realizado no seu país, reflete sobre o imperialismo e sublinha o papel que os EUA desempenham na região.

Em 2020, 75% das mortes no mundo serão causadas por má alimentação

Todos os anos, 200 mil pessoas morrem devido a problemas ligados ao consumo de drogas, segundo a OMS. Parece muita gente, mas, se compararmos à quantidade de gente que morre em decorrência de danos causados pela má alimentação, não é nada. Dados mais recentes da mesma organização, de 2001, dizem que mais de 33 milhões de pessoas morreram naquele ano por doenças crônicas ligadas à comida. Nada que é inalado ou aspirado é um matador mais eficaz do que aquilo que é mastigado.
Em 2020, 75% das mortes no mundo serão causadas por doenças crônicas como diabetes, câncer e complicações cardíacas. Esse dado está no estudo "Diet, Nutrition and the Prevention of Chronic Diseases" (Dieta, Nutrição e Prevenção de Doenças Crônicas), da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização para Agricultura e Alimentação (FAO). E o que os dois hambúrgueres, a alface, o queijo e o molho especial no pão com gergelim têm a ver com isso?

sábado, 20 de maio de 2017

Seja o agente na história de sua vida

Era um homem consciente, sereno, que vivia de bem com a vida, independentemente do que lhe acontecesse. Habituara-se a comprar seu jornal numa determinada banca de revistas cujo dono, homem de humor instável, mostrava-se muitas vezes desagradável e até mesmo agressivo com seus clientes. Já havia até perdido vários deles! Esse freguês, entretanto, não se deixava atingir pelo mau humor do jornaleiro.

Certa manhã, acompanhado de um amigo, foi como sempre comprar o seu jornal. Quando lá chegou, cumprimentou o jornaleiro com um sorriso cordial. Porém esse era um dos dias em que o jornaleiro estava em uma de suas crises de humor e mal respondeu ao cliente. Sempre cordial, o homem continuou desconsiderando a grosseria por parte do jornaleiro e se despediu com a delicadeza de costume. O amigo que o acompanhava achou tudo muito estranho e perguntou:

– Você está acostumado a comprar jornal nesta banca?

– Sim – foi a reposta de Pedro.

– E esse “cara” costuma tratá-lo mal assim?

– Na maioria das vezes...

– E você sempre o trata dessa forma, cordialmente?

– Sim.

E o amigo, espantado, continuou indagando:

– Mas... por quê, se ele trata tão mal? Afinal de contas existem nas redondezas outras bancas de revistas e com certeza você seria muito bem-vindo a qualquer uma delas!

Nesse momento o homem olhou para o amigo e lhe explicou:

– Não quero deixar que aquele jornaleiro ou qualquer outra pessoa decidam por mim quem eu devo ser ou como devo agir.

No dia-a-dia percebo o quanto as pessoas delegam as responsabilidades dos acontecimentos a outros.

Esse homem escolheu ser o agente da sua vida, e não o reagente, e você?

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Já levaram nossas matas e nosso ouro. Só falta levarem nossas estrelas.

Fonte

Impermanência é um princípio da harmonia

Fonte

A bomba biótica e os rios aéreos da Amazônia

E agora com vocês os rios aéreos ou voadores dentro do ciclo hidrológico. A floresta, como a Amazônia, funciona como uma bomba d’água na América do Sul! <3 Ela puxa para dentro do continente a umidade evaporada pelo oceano Atlântico e carregada pelos ventos alíseos. Ao seguir terra adentro, a umidade cai como chuva sobre a floresta. Pela ação da transpiração da árvores sob o sol tropical, a floresta devolve a água da chuva para a atmosfera na forma de vapor de água. Dessa forma, o ar é sempre recarregado com mais umidade e se formam os rios aéreos, que continuam a transportar grandiosos volumes de água rumo ao oeste para cair novamente como chuva mais adiante. Quando os rios voadores encontram a barreira natural formada pela Cordilheira dos Andes, eles fazem a curva, partindo em direção ao sul, rumo às regiões do Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil e aos países vizinhos.

Os rios voadores ligam os ventos alísios carregados de umidade do Atlântico equatorial com os ventos sobre a grande floresta, até os Andes, e daí para a parte meridional da América do Sul. Tudo isso só é possível por causa da 💚bomba biótica💚
Fonte

A gente já ouviu falar que a Amazônia é o pulmão do mundo, mas vai além disso. O professor Antonio Nobre no relatório que unifica 200 pesquisas mostrou que na verdade a floresta é o CORAÇÃO do mundo e pulsa a circulação de água doce em suas artérias de rios voadores.
Fonte

A bomba biótica da Floresta Amazônica funciona como o coração do ciclo hidrológico e sistema circulatório na América do Sul. Temos dois corpos de água, o oceano azul, que já conhecemos, e o oceano verde, a floresta. A transpiração da floresta é tão grande quanto a do oceano, mas a condensação de nuvens na floresta é muito maior por causa do "pó de pirlimpimpim" (como chamou o professor), que são as partículas de odores das plantas que estão no ar! Essas partículas são atraídas por água, ou seja, buscam moléculas de água no ar e se juntam com a umidade da transpiração das árvores (que o professor chama de "geisers da floresta") formando nuvens! Porque a condensação é maior na floresta, a pressão abaixa e puxa o ar úmido do oceano. Eis a bomba biótica. Daí a Amazonia envia essas nuvens em forma de rios voadores para o sul do continente. Se os familiares rios são análogos às veias, que drenam a água usada e a retornam para a origem no oceano, os rios aéreos são as artérias, que trazem a água fresca, renovada na evaporação do oceano.
Fonte

Epigenética: você é o que você faz

Será que o ambiente é capaz de influenciar como nossos genes funcionam? Sim! 

É a EPIGENÉTICA: mudanças reversíveis e herdáveis no genoma funcional que não alteram a sequencia de nucleotídeos do DNA. 
A herança epigenética depende de pequenas mudanças químicas no DNA e em proteínas que envolvem o DNA (histonas). Existem evidências científicas mostrando que hábitos da vida e o ambiente social em que uma pessoa está inserida podem modificar o funcionamento de seus genes. Então, fica a dica: cuide bem dos seus genes!

Crédito do cartoon: Weizmann Institute of Science

domingo, 14 de maio de 2017

Eu não sou obrigada a usar sutiã - Natasha Puga

Hoje na escola a diretora me chamou pra "conversar". Chegando na sala, ela me pergunta: você está sem sutiã? Eu tranquilamente respondo que sim. Então ela diz "você precisa voltar a usar!! até os meninos mais novos estão comentando, escola não é lugar pra isso". Claro, escola não é um lugar pra eu me sentir confortável mesmo. Fiquei sentada escutando coisas do tipo "isso é questão de bom senso, vc já é mais desenvolvida, é claro que os meninos vão olhar. Sua liberdade termina onde começa a do outro". Deixei ela terminar de falar e dei uma resposta bem curta: você não pode me obrigar a usar sutiã, eu vou continuar vindo assim mesmo. "Então eu vou ter que tomar providencias", ela concluiu. Chegando na sala de aula contei pra minhas "amigas" o porquê dela ter me chamado lá, e elas responderam "ela está certa, vc n tem bom senso, só quer aparecer". Bom.. vamos lá. Primeiramente (fora temer), o uso de sutiã é uma coisa cultural. Na década de 1930, os mamilos dos homens eram tão provocante, vergonhoso, e tabu como das mulheres estão agora, e os homens protestaram da mesma maneira. Em 1930, quatro homens foram em topless para Coney Island e foram presos. Em 1935, vários homens em topless desceram sobre Atlantic City, 42 dos quais foram presos. Homens lutaram e foram ouvidos, mudando não apenas as leis, mas a consciência social. E em 1936, peitos nus masculinos foram aceitos como a normal. Mais de 80 anos se passaram e os mamilos e o corpo EM GERAL das mulheres ainda é extremamente sexualizado. Proíbem até uma mãe de amamentar os filhos em publico, mas quando é para gerar prazer em homem tudo ta ok (como revistas de mulheres peladas etc). EU NÃO TO AQUI PRA CHAMAR ATENÇÃO DE HOMEM. EU NÃO SIRVO PRA SATISFAZER MACHO. Se eu optei por não usar sutiã, te garanto que não é para "aparecer". Talvez eu resista aos insultos para mostrar pras outras MULHERES que nós não somos obrigadas a NADA. PAREM DE OBJETIFICAR O CORPO DAS MULHERES!!!!!!!!!!!!! Eu particularmente não me sinto confortável usando sutiã, me incomoda, ainda mais nesse calor. Eu escuto de muitas amigas que "a melhor coisa é chegar em casa e tirar o sutiã", por que então não podemos nos sentir confortáveis o dia todo? Por que ficamos presas a essas correntes invisíveis? Eu só vou usar sutiã quando eu sentir vontade. Quanto ao bom senso, VCS DEVERIAM TER O BOM SENSO DE CUIDAR DO CORPO DE VCS!!!!! Eu não obrigo ninguém a ficar olhando meus mamilos, eu tenho total liberdade de não usar uma peça de roupa que não faz diferença nenhuma. Eu estou realmente muito curiosa pra saber quais "providencias" minha diretora vai tomar. NENHUMA MULHER É OBRIGADA A USAR SUTIÃ, não vai ser a escola, o amigo, ou qualquer outra pessoa que vai nos dizer o contrario. FREE THE NIPPLE! ❤

sábado, 13 de maio de 2017

Ens vermelhos da masturbação pensênica - Caciano Camilo Compostela

❝Acautela-te! Caso persistas em amamentar com teus líquidos seminais entidades sombrosas, verás esvair-se a vital energia de tuas realizações; se foca a força de tua imaginação no desfiladeiro luxuriante de cópulas irreais, sentirás a potência procriadora brochar-se ante a natureza desafiante da realidade. Onde estiver seu coração estará teu tesouro, onde mantiver seus olhos penetrará também teu poder; não se trata de 'pecado' mas de 'causa/efeito', sem dogmatismo, igrejismo ou beatice. Observe, o sexo é divino e necessário, a pornografia uma expressão perfeitamente válida, mas o vício um obscuro abismo como qualquer outro. Ens incorpóreos sobrevoam as nuvens astrais da obsessão sexual em sedenta busca por encarnados de semelhante natureza, para com estes associarem-se e casarem-se em plena comunhão de bens; invadem seus hospedeiros com sutis fios e tratam de primeiro sugerir-lhes doses crescentes de libidinosidade, depois, amarra-nos sob rubras correntes pornográficas e, por fim, escraviza-os. Silencie, jejue e Veja! Ondas pensênicas de violência, dominação, sadismo, masoquismo outrora inexistentes começam a germinar, florescer e frutificar na mente desguarnecida; um buraco sem fundo, um desejo sem fim por sorver, verter, haurir sem limites, propósito ou término. Afaste-se. Distancie-se ao máximo de mecanismos que lhe aprisionem sob douradas algemas da dependência, volte teus olhos para o Alto e diariamente direcione tua fertilidade para a consecução programática de teus objetivos. Se ousares desfazer o pacto implícito com os Ens vermelhos da concupiscência erótica, enfrentarás a ira das Fúrias mas experimentará em ti um abençoado vigor, poder, criatividade, entusiasmo, exuberância e liberdade.❞
Caciano Camilo Compostela, Monge Rosacruz.©

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Não corra atrás do passado - Buda

"Não corras atrás do passado, não busques pelo futuro. O passado se foi, o futuro ainda não chegou. Observe porém, com clareza, neste exato instante, aquilo que existe agora." Buda

Ilusões: os malefícios das terapias de vidas passadas

Ilusões .:.
❝Estive recentemente em um seminário de ateus e agnósticos na Paraíba, evento que me confirmou algumas reflexões e instigou-me n'outras tantas; lembrou-me que uma genuína espiritualidade não é um caminho amorfo e abobalhado que diz sim para toda teoria, mas uma postura inteligente na contínua busca de uma Nova Consciência.
Faz-se necessário declarar aqui meu sincero respeito aos profissionais sérios que utilizam a regressão de memória de forma eficaz e madura. Isto posto, é igualmente oportuno mencionar o crescente mercado 'exotérico' que compra e vende algo bom em sua base mas, por vezes, medonho em seus desdobramentos.
Existem pessoas beneficiadas com a terapia de regressão, entretanto, conheço um número significativamente maior de outras que verteram rios de dinheiro em técnicas sofríveis e desilusões desastrosas.
- A regressão é possível? Sim, perfeitamente.
- Ela pode nos fazer retroceder até vidas anteriores? Sim, possivelmente.
A problemática se dá quando no lugar de ater-se ao momento presente o indivíduo começa a delirar com referências do passado e usar isto como escapatória dos desafios presentes.
Muito cômodo. Enquanto imagina-se ter sido Cleópatra, Morgana ou Napoleão em encarnações anteriores, o 'regredido' vê-se livre da responsabilidade de encontrar no aqui e agora as raízes de suas forças e fraquezas.
Outra armadilha está no fato de que teu cérebro vai sempre desenhar uma realidade pregressa quando receber este comando.
N'outras palavras: teu inconsciente vai desenhar mil vidas, cenários e laços de família se tu o pedires, reais e/ou fantasiosos!
Eis a razão de haverem tantos príncipes, rainhas, heróis e tão pouca gente comum na maioria dos relatos. A mente cria sobre o que conhece ou imagina conhecer.
Existem regressões relevantes, profundas e extraordinárias? Sim, mas são tão raras que não suprem o abismo alimentado pelas outras tantas.❞
Caciano Camilo Compostela, Monge Rosacruz.©

Da química à biologia - a explosão cambriana

O evento mais importante em toda a história da Terra foi a explosão cambriana. Antes dela, a vida resumia-se a seres unicelulares. Alguns cientistas acreditam que a vida surgiu no mar, a partir de uma sopa primordial capaz de formar células com aminoácidos originados desde o carbono; outros afirmam que ela pode ter vindo do espaço através de meteoritos e que aqui encontrou um ambiente propício a multiplicar-se. Mas o fato é que uma estrutura chamada ácido desoxirribonucleico (DNA) guarda a informação que se multiplica e que, através da mutação genética, faz com que o mundo seja povoado por formas de vida tão diversas. Depois de um lento processo de evolução, formaram-se os seres pluricelulares, com tecidos e órgãos. Mas houve algo que fez a vida explodir: a reprodução sexuada. Dessa grande orgia ancestral, surgiu a diversidade animal. Os peixes que saíram das águas tornaram-se anfíbios e logo evoluíram para répteis. Mas as mudanças climáticas levaram a uma onda de extinção em massa que quase erradicou a vida no planeta. Mas, uma vez estabilizado o padrão atmosférico, a vida voltou a proliferar. Os dinossauros reinaram por milhões de anos e algumas de suas espécies foram os maiores seres que habitaram o planeta. Sua extinção ocorreu por um fator exógeno: a Terra foi atingida por um asteróide o qual sua explosão equivaleu a milhares de bombas atômicas e a poeira levantada fez o sol desaparecer por muito tempo. Dessa segunda extinção em massa, pequenos roedores mamíferos sobreviveram e deles descendem os caninos, felinos, ursos, macacos, bovinos e humanos, por exemplo. Herdamos a coluna vertebral dos peixes e as nadadeiras tornaram-se braços e pernas. Dos répteis, guardamos parte da estrutura cerebral e a própria pele que agora não necessita de escamas. Dos mamíferos, herdamos os pêlos e a amamentação, e até mesmo os dentes frontais vieram dos roedores. Dessa linha evolutiva, surgiu um ser do qual todos os macacos e humanos descendem. Várias linhagens de humanóides desenvolveram-se como o Neandertal, mas o homo sapiens que surgiu nos desertos africanos espalhou-se por todos os continentes e foi a única que perdurou. Somos todos afrodescendentes. Por milhares de anos, a terra esteve coberta de gelo e a única forma de sobreviver era alojar-se em cavernas. O fim da última era glacial há 12 mil anos marcou a passagem do pleistoceno ao holoceno e a Revolução Neolítica caracterizou-se pela sedentarização que veio com a agricultura e a domesticação dos animais. Surgiram as primeiras civilizações. Várias experiências humanas e formas de sociedade foram verificadas. Até que século XVIII ocorre a Revolução Industrial e o mundo entra na fase do antropoceno. Os restos mortais de animais e plantas de milhões de anos começam a ser queimados na forma de petróleo. Pela primeira vez, uma espécie influi incisivamente na mudança climática e habita cada parte do planeta. Agora, essa espécie tem em suas mãos o poder de destruir o mundo ou de transformá-lo​ em um ambiente melhor para todos. Não apenas os humanos, mas todos os animais que no mais remoto passado guardam um ancestral comum ao nosso. Somos primos dos gatos, cachorros​, macacos, mas também de baratas, vermes e insetos. Está tudo registrado em nossos DNAs. Todos originados da explosão cambriana, que foi um imenso festival de combinação de poeira cósmica que marcou a passagem da química à biologia.

domingo, 7 de maio de 2017

A prática japonesa do "banho de floresta"

Quando a gente passeia na floresta, a gente respira melhor. O aroma das plantas, das madeiras, das frutas e vegetais afetam diretamente nosso sistema imunológico. A Nippon Medical School de Tóquio mediu os efeitos na saúde humana e comprovou: banhos de floresta ajudam até na prevenção de câncer. A Universidade de Chiba também mediu a pressão sanguínea e o batimento cardíaco e concluiu que todas as medições melhoram. Até para depressão os banhos de floresta são superindicados. Precisamos de doses de natureza e experimentar, intuitivamente, o nosso mundo selvagem. 

Saiba mais:
“The Japanese practice of ‘forest bathing’ is scientifically proven to improve your health” - https://goo.gl/IO78oc

Pesquisas científicas comprovam: um passeio na natureza, além de relaxar o corpo, melhora o desempenho mental e criatividade. Em artigo da National Geographic, David Gessner, professor da University of North Carolina, fala sobre a forma como vivemos hoje em centros urbanos e os efeitos negativos da falta de contato com a natureza. Corra para as montanhas! <3 

“This Is Your Brain on Nature” - National Geographic: goo.gl/afevz0

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Nosso apoio no outro - Hugo Lapa

O ser humano costuma criar muitos apoios em sua vida para se sustentar emocionalmente
O apoio mais comum é aquele relacionado a pessoas. É muito comum uma mãe fazer de um filho sua razão de viver e apegar-se tanto a ele que, caso o filho desencarne, ela não consegue seguir em frente, não consegue mais viver, não consegue mais ser ela mesma... Isso pode ocorrer com outro tipo de parentesco, pai, mãe, irmão, marido, esposa, etc.
O erro do ser humano é fazer do outro a sua vida; é passar a depender emocionalmente do outro; é desistir de si mesmo para cuidar do outro e esquecer de si mesmo; é fazer do outro o sentido ou o propósito de nossa existência. Quando fazemos isso, perdemos a nós mesmos, pois quando o outro vai embora, fica um vazio em nosso peito que nada pode preencher.
A única coisa que pode preencher esse vazio que ficou é um resgate de nós mesmos e da essência divina que somos.
Por isso, vamos atuar de forma preventiva. Ao invés de precisar se desapegar do outro quando ele vai embora, é melhor não se apegar a ele quando ele está conosco.
Assim, por mais que você ame a pessoa, não faça do outro a sua vida.
Não tente se preencher com outra pessoa.
Não crie um sentido da sua vida a partir de alguém.
Não se apoie no outro, não use o outro como apoio psicológico, não fique dependente do outro.
Essa é a única forma de você não se perder quando o outro vai embora. Dizemos isso porque há uma grande verdade nessa vida:
O outro sempre vai embora em algum momento.
Há sempre uma separação, um abandono, uma decepção, uma morte que virá. O outro sempre terá que se afastar de nós em alguma época de nossa existência. Por isso, jamais faça do outro a sua vida. Não coloque sua essência vital em ninguém. Fique você mesmo com ela.
Caso contrário, você deixa de existir.

Ana Primavesi e o benzedor de Itaberá

Trecho da biografia de Ana Primavesi, de Virgínia Knabben:

[...] "Quando se trabalha no campo, todo dia pode acontecer uma coisa estranha." Também nessa época Ana conta que testemunhou outra situação misteriosa. Um dia, apareceu o administrador de uma fazenda dizendo que a plantação de cana estava sendo devorada por lagartas. Ele comentou que havia pedido para que a aviação agrícola pulverizasse a área, mas como as lagartas estavam por toda a área, somente dali a dez dias seria possível realizar o serviço. "Até lá elas já comeram tudo!", disse o homem desanimado. Veio então a ideia de chamar o benzedor.
Chegado o homem, eis que ele procurou pela redondeza umas ervas e as queimou numa fogueira na beirada do campo. Também começou a dançar "... e de vez em quando dava um pulinho e um grito e depois de uns vinte minutos disse 'agora os lagartos vão morrer.' Eu e Artur achamos aquilo ridículo." O adminitrador sugeriu pagar a benzedura mas isso não se podia fazer, e o homem despediu-se calmo e satisfeito enquanto os três ainda falavam e palpitavam sobre o ocorrido. Ainda dava para ver o homem na estrada ao longe quando uma ou outra lagartinha caiu. "Podia ser que eram as lagartas mais velhas", Ana pensou. "Mas depois caíram mais e de repente parecia como uma chuva de lagartinhas que caíam: grandes, pequenas, todas. Era inacreditável. O administrador da fazenda achava aquilo tudo normal: 'benzedura sempre causa este efeito', e foi para casa". Para completar a história, um administrador de outra fazenda que veio ver a benzedura, pediu a Artur para chamar o benzedor outra vez para curar o gado de bicho berne porque naquele ano tinha demais e os remédios não estavam fazendo efeito.
Lá veio o homem benzer de novo. "Passou uns raminhos de ervas nativas sobre as costas de cada vaca, deu um gritinho e depois um tapa nas costas delas. Ficamos todos esperando," Ana conta, "parecia que não ia acontecer nada. Mas de repente por toda parte caíram as larvas dos bichos de berne. Era impressionante. O gado ficou cheio de furinhos mas sem bolotas e o chão estava cheio de larvas de berne." Era ridículo, mas funcionava.

Clique aqui para entrar no grupo no WhatsApp "Agroecologia Primavesi".

Todas as manhãs, depois de acordar... - Dalai Lama

"Todas as manhãs, depois de acordar, tente moldar o seu pensamento de forma benéfica antes de começar o seu dia. Você pode pensar, por exemplo, "Que meu corpo, minha fala e minha mente sejam usados de uma forma mais compassiva, de modo que eles estejam a serviço dos outros. 'Isso é algo que eu costumo fazer. Isso torna a vida mais significativa. Da mesma forma, examine a sua mente à noite, antes de ir para a cama. Reveja a forma como você usou o seu dia, e verifique se valeu a pena."
(Dalai Lama)

O microscópio e suas partes

Fonte

O golpe no golpe - Thomas de Toledo

Veio o risco do golpe no golpe: a instalação de uma comissão na Câmara que pode estender o mandato do impostor Temer até 2020. No mesmo dia, ficamos sabendo que os Estados Unidos farão um exercício militar na Amazônia e que o governo brasileiro está disposto a ceder nossa soberania para a construção de uma base.

Já estão entregando o petróleo, os minérios, agora querem dar nossa reserva biológica em área de fronteira? Massacrando índios e quilombolas para colocar os Estados Unidos no lugar? Nunca é tarde lembrar: o golpe é imperialista como foi em 1964. Enquanto isto, o Estado de exceção destrói a democracia e a repressão já começa a usar-se da lei antiterrorismo.

Destruir direitos trabalhistas, previdenciários e permitir trabalho a troco de moradia e comida tem nome: volta da escravidão. Ceder seus recursos e territórios a potências estrangeiras também tem nome: colonialismo. O projeto é voltarmos a ser uma colônia escravista de exploração. Mas há como resistir: fazer cada brasileiro compreender a gravidade do que está acontecendo. Resistir! De forma sábia e inteligente, sempre resistir para acumular força, reverter o quadro e reconstruir o Brasil que foi interrompido no golpe de 2016. #ForaTemer.