sexta-feira, 27 de julho de 2012

Voltaire e Nietzsche e Jack Kerouac (citação)

"O fato de não crermos numa coisa não elimina absolutamente a existência dessa coisa". Voltaire
"O interesse que tenho em acreditar numa coisa não é a prova da existência dessa coisa". Voltaire
"Quem luta com monstros deve velar para que, ao fazê-lo, não se transforme também em monstro". Nietzsche
"A vantagem de ter péssima memória é divertir-se muitas vezes com as mesmas coisas boas como se fosse a primeira vez". Nietzsche
"Os homens são tão malucos, querem a essência, a mulher é a essência, lá está ela bem na mão deles mas eles saem correndo construindo grandes estruturas abstratas". Jack Kerouac (Alene Lee)

"Se quer ser verdadeiramente vitorioso, vença-se a si próprio".

domingo, 22 de julho de 2012

Oração e Autoconhecimento, Anselm Grün 2004

Trechos do livro:

Recomendo.

O livro mostra a oração como uma fonte de autoconhecimento. O autor considera a atitude de falar com Deus e voltar o coração para Deus impele o orante a voltar-se para si mesmo e ocupar-se em primeiro lugar com o próprio coração. 

Sem lágrimas não existe encontro com o Deus verdadeiro, mas unicamente com as construções da própria fantasia.
Aquele que deixa que Deus se aproxime, que se deixa superar por ele, este se desfaz em lágrimas.
Se não és capaz de chorar, não precisas ficar imaginando que tenhas experimentado alguma coisa de Deus. As lágrimas são o sinal da proximidade de Deus, expressão da experiência de Deus, expressão corporal do sentimento da presença do Deus de amor.
As lágrimas portanto são a reação do homem à aproximação de Deus, uma reação provocada pelo próprio Deus para que possa ser experimentado por nós.










Recomendo esse livro, comprei em Campos do Jordão, pode ser encontrado facilmente no Mercado Livre por +- $12 (sem o frete); com o frete não deve dar mais que $20... Vale a pena!

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Filocalia - Evágrio Pôntico

“Quanto mais perto estiver de Deus, tanto melhor será o homem”.
“A oração é fruto da alegria e do e conhecimento”.
“O corpo tem o pão por alimento; a alma, a virtude; a inteligência, a oração espiritual”.
“Na hora de orar, encontrarás o fruto de todo sofrimento aceito com sabedoria”.
“Os sentimentos mal orientados atrapalham a oração”.
“Feliz o espírito livre de qualquer forma durante a oração”.
“O rancor cega a faculdade mestra de quem ora e derrama-lhe trevas sobre as orações”.
“Aspira a ver a face do Pai, que está no céu: não procure, por nada deste mundo, perceber forma ou rosto durante a oração”.
“Pois, quando em tua oração tiveres conseguido ultrapassar qualquer outra alegria, é que finalmente, em toda verdade, terás encontrado a oração”.
“Armado contra a ira, não admitas jamais a cobiça, pois é a cobiça que alimenta a ira, esta por sua vez, turva os olhos da inteligência e destrói assim, o estado de oração”.
“A oração é uma conversa da inteligência com Deus: que estado não é, pois, necessário, para essa tensão sem retorno, para ir a seu Senhor e conversar com Ele, sem nenhum intermediário?”
“Mantém-te corajoso e ora com energia; afasta as preocupações e e as reflexões que se apresentarem, pois elas te perturbam e te agitam, debilitando o teu vigor”.
“Se queres orar dignamente, renuncia-te a todo instante; se suportas toda sorte de provações, resigna-te sabiamente por amor da oração”.
“Não te contentes de orar nas atitudes exeriores, mas leva tua inteligência ao sentimento da oração espiritual, com grande temor”.
“Não ores para que tuas vontades se cumpram: elas não concordam necessariamente com a vontade de Deus. Ora, sim, segundo o ensinamento recebido, dizendo: ‘que vossa vontade se cumpra em mim’. Em tudo, pede-lhe que se faça a sua vontade, pois Ele quer o bem e o bebefício para tua alma; tu, porém, não é isso necessariamente que procuras”.
“A oração sem distração é a intelecção mais alta da inteligência”.
“Orando com teus irmãos ou orando só, esforça-te por orar, não por hábito, mas com sentimento”.
“Quem ama a Deus conversa incessantemente com Ele, como com um Pai, despojando-se de todo pensamento apaixonado”.
“Quem ora em espírito e em verdade, não tira mais das criaturas os louvores que dá ao Criador: é do próprio Deus que ele louva Deus”.
“A vista é o melhor de todos os sentidos; a oração é a mais divina de todas as virtudes”.
“A oração é a exclusão da tristeza e do desalento”.


quinta-feira, 19 de julho de 2012

Jack London - O Andarilho das Estrelas


Recomendo.

Inspirado pelo relato verídico de um ex-detento da penitenciária de San Quentin, nos Estados Unidos, Jack London escreveu este livro que é um dos seus mais intrigantes e envolventes romances.

No começo do século XX, saíram contrabandeados da penitenciária de San Quentin, nos Estados Unidos, manuscritos de um ex-detento que permaneceu na solitária por oito anos até ser enforcado. Este seria um fato comum, não fosse o incrível conteúdo dos relatos, que foram produzidos de maneira inusitada - após o prisioneiro submeter-se à auto-hipnose e entrar em estado alterado de consciência, por meio do qual era capaz de vivenciar experiências de vidas passadas, Darrell Standing, um professor de Agronomia que matou um colega de faculdade, aprendeu essa técnica dentro da prisão, em princípio para escapar das terríveis dores que lhe causavam a tortura da camisa-de-força, onde ele era obrigado a ficar até cem horas ininterruptas; depois, para recuperar mais detalhes das longínquas existências que lhe eram proporcionadas a cada novo "desdobramento astral". Em suas memórias, ele deixou registrado um relato que nos chama atenção porque as provas dessa sua existência encontram-se expostas hoje no Museu da Filadélfia. Embora fosse um cético, Jack London, mestre norte-americano da ficção, absorveu a rica experiência de Darrell Standing e se propôs a narrar um dos mais instigantes e envolventes romances de todos os tempos.
Escrito em 1913, “O Andarilho das Estrelas” é um livro raríssimo que ficou esquecido por 80 anos deste importante escritor socialista norte-americano.

Título: O Andarilho das Estrelas
Autor: Jack London
Estante: Literatura Estrangeira
Idioma: Português
Editora: Axis Mundi
Número de páginas: 318
Capa: Brochura
Preço: 45,00




Duelaremos como Lords

Hahahahahhaa melhor gif q eu já vi na vida eu acho... fui obrigado a compartilhar :D


Fonte