sexta-feira, 31 de maio de 2013

MAYSA - Quem Quiser Encontrar Amor 1961

Quem quiser encontrar o amor
Vai ter que sofrer
Vai ter que chorar
Amor assim não é amor
É sonho e ilusão
Pedindo tantas coisas
Que não são do coração
Quem quiser encontrar o amor
Vai ter que sofrer
Vai ter que chorar
O amor que pede amor
Somente amor há de chegar
Pra gente que acredita
E não se cansa de esperar
Feliz então sorrindo
Minha gente vai cantar
Tristeza vai ter fim
Felicidade vai ficar
Quem quiser encontrar o amor
Vai ter que sofrer
Vai ter que chorar

MAYSA - Chega De Saudade 1963

Vai minha tristeza
E diz à ela
Que sem ela não pode ser
Diz-lhe numa prece
Que ela regresse
Porque eu não posso
Mais sofrer...

Chega de saudade
A realidade
É que sem ela
Não há paz
Não há beleza
É só tristeza
E a melancolia
Que não sai de mim
Não sai de mim
Não sai...

Mas se ela voltar
Se ela voltar
Que coisa linda
Que coisa louca
Pois há menos peixinhos
A nadar no mar
Do que os beijinhos
Que eu darei na sua boca...

Dentro dos meus braços
Os abraços hão de ser
Milhões de abraços
Apertado assim
Colado assim
Calado assim
Abraços e beijinhos
E carinhos sem ter fim
Que é prá acabar
Com esse negócio
De viver longe de mim
Vamos deixar desse negócio
De você viver sem mim
Não quero mais esse negocio
De você longe de mim...

Mas se ela voltar
Se ela voltar
Que coisa linda
Que coisa louca
Pois há menos peixinhos
A nadar no mar
Do que os beijinhos
Que eu darei na sua boca...

Dentro dos meus braços
Os abraços hão de ser
Milhões de abraços
Apertado assim
Colado assim
Calado assim
Abraços e beijinhos
E carinhos sem ter fim
Que é prá acabar
Com esse negócio
De viver longe de mim
Vamos deixar desse negócio
De você viver sem mim
Não quero mais esse negocio
De você longe de mim...

quinta-feira, 30 de maio de 2013

CHICO BUARQUE - Mulheres de Atenas 1976

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Vivem pros seus maridos
Orgulho e raça de Atenas

Quando amadas, se perfumam
Se banham com leite, se arrumam
Suas melenas
Quando fustigadas não choram
Se ajoelham, pedem imploram
Mais duras penas; cadenas

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Sofrem pros seus maridos
Poder e força de Atenas

Quando eles embarcam soldados
Elas tecem longos bordados
Mil quarentenas
E quando eles voltam, sedentos
Querem arrancar, violentos
Carícias plenas, obscenas

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Despem-se pros maridos
Bravos guerreiros de Atenas

Quando eles se entopem de vinho
Costumam buscar um carinho
De outras falenas
Mas no fim da noite, aos pedaços
Quase sempre voltam pros braços
De suas pequenas, Helenas

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas:
Geram pros seus maridos,
Os novos filhos de Atenas.

Elas não têm gosto ou vontade,
Nem defeito, nem qualidade;
Têm medo apenas.
Não tem sonhos, só tem presságios.
O seu homem, mares, naufrágios...
Lindas sirenas, morenas.

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Temem por seus maridos
Heróis e amantes de Atenas

As jovens viúvas marcadas
E as gestantes abandonadas
Não fazem cenas
Vestem-se de negro, se encolhem
Se conformam e se recolhem
Às suas novenas
Serenas

Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Secam por seus maridos
Orgulho e raça de Atenas

Maria Teodora Ribeiro Guimarães - Tempo de Amar - A trajetória de uma alma - Relatos de Terapia de Vida Passada 2000

Com ligeiras variantes, a trajetória dos humanos é tão similar! Lá estivemos nós, como o Leo dessa história, como magos da sombra, querendo impor-nos a todo custo; enganamos, matamos, torturamos, reinamos, servimos, fomos egoístas e indiferentes, orgulhosos e tirânicos. Afundamos com a Atlântida, cavalgamos nas estepes, tomamos o sol do Nilo, fomos vencidos e vencedores, singramos todos os mares, sacrificamos a muitos deuses; fomos nobres e mendigos, andarilhos e guerreiros, sacerdotes e ladrões; eventualmente salvamos vidas, mas muito mais vezes as tiramos; sofremos bastante, mas muito mais fizemos sofrer. E, se estamos lendo este relato, muito provavelmente já conseguimos chegar ao ponto de mutação em que a casca mais dura de nosso orgulho/inconsciência foi substituída pela membrana semipermeável à fraternidade. Em histórias como a de Leo, nosso espírito vence junto, mais uma vez; e se delicia com a riqueza das narrativas, que cobrem milhares de anos e cenários de vários continentes.

Esta não é apenas a história verídica e fascinante das existências de um paciente de Terapia de Vida Passada.
A história de Leo — que se desdobra ao longo de mais de 100 séculos — é a história da humanidade neste planeta. De civilizações perdidas no tempo, que os personagens de Leo ajudaram a soterrar, aos tempos atuais, conhecemos de tudo: homens cruéis, mulheres tolas e fúteis, bárbaros e bruxos de todos os tipos. Da Atlântida à Europa, passando pelo Oriente e pelas Américas, ricos representantes da história da humanidade compuseram o quadro dessa vida.
A fantástica vida de um espírito e seus maravilhosos personagens, todos cheios de verdades, de emoções, de defeitos, de paixões e tudo o mais que compõe a vida do homem sobre a Terra. E entre cada vida, ele nos leva em percursos pelo mundo espiritual — um mundo de fantásticas surpresas mas de uma lógica irretocável, onde cada personagem construía para si o lugar onde ia habitar após a morte.
É a própria evolução das civilizações, na dança do espírito pelos diversos corpos e situações, em seu aprendizado no caminho do amor, única forma de encontrar a felicidade.
A drª. Maria Teodora Guimarães, psiquiatra que trabalha há mais de vinte anos com terapia de vida passada, e um dos expoentes dessa especialidade no Brasil, relata com precisão e riqueza de detalhes, em estilo cativante, essa história que é um dos mais impressionantes depoimentos de TVP já publicados. E que é, sobretudo, uma história para prender o leitor da primeira à última página.

Contatos Musicais - Grandes Mestres Compõem do Além - Rosemary Brown 1971 - Liszt Beethoven Mozart Schubert Schumann Debussy Brahms Chopin Greig +! / Unfinished Symphonies: Voices from the Beyond

Ela também tem alguns discos gravados, um deles vocês podem baixar aqui (não sei até quando o link vai continuar on).

Duas Vidas - Antonieta V. Meyer / Virgínia (espírito)

NEYMAR

CHICO BUARQUE - Homenagem Ao Malandro 1978

Eu fui fazer um samba em homenagem
à nata da malandragem, que conheço de outros carnavais.
Eu fui à Lapa e perdi a viagem,
que aquela tal malandragem não existe mais.
Agora já não é normal, o que dá de malandro
regular profissional, malandro com o aparato de malandro oficial,
malandro candidato a malandro federal,
malandro com retrato na coluna social;
malandro com contrato, com gravata e capital, que nunca se dá mal.
Mas o malandro para valer, não espalha,
aposentou a navalha, tem mulher e filho e tralha e tal.
Dizem as más línguas que ele até trabalha,
Mora lá longe chacoalha, no trem da central

sábado, 25 de maio de 2013

PROSPERAR - O que na Terra vai demorar? / THRIVE - What on Earth Will It Take? 2012

CHICO BUARQUE - Apesar de Você 1970s 1978

Hoje você é quem manda
Falou, tá falado
Não tem discussão
A minha gente hoje anda
Falando de lado
E olhando pro chão, viu
Você que inventou esse estado
E inventou de inventar
Toda a escuridão
Você que inventou o pecado
Esqueceu-se de inventar
O perdão

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Eu pergunto a você
Onde vai se esconder
Da enorme euforia
Como vai proibir
Quando o galo insistir
Em cantar
Água nova brotando
E a gente se amando
Sem parar

Quando chegar o momento
Esse meu sofrimento
Vou cobrar com juros, juro
Todo esse amor reprimido
Esse grito contido
Este samba no escuro
Você que inventou a tristeza
Ora, tenha a fineza
De desinventar
Você vai pagar e é dobrado
Cada lágrima rolada
Nesse meu penar

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Inda pago pra ver
O jardim florescer
Qual você não queria
Você vai se amargar
Vendo o dia raiar
Sem lhe pedir licença
E eu vou morrer de rir
Que esse dia há de vir
Antes do que você pensa

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai ter que ver
A manhã renascer
E esbanjar poesia
Como vai se explicar
Vendo o céu clarear
De repente, impunemente
Como vai abafar
Nosso coro a cantar
Na sua frente

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai se dar mal
Etc. e tal
La, laiá, la laiá, la laiá

Patti Smith - People Have The Power 1988

I was dreaming in my dreaming
Of an aspect bright and fair
And my sleeping it was broken
But my dream it lingered near
In the form of shining valleys
Where the pure air recognized
And my senses newly opened
I awakened to the cry
That the people / have the power
To redeem / the work of fools
Upon the meek / the graces shower
It's decreed / the people rule

The people have the power
The people have the power
The people have the power
The people have the power

Vengeful aspects became suspect
And bending low as if to hear
And the armies ceased advancing
Because the people had their ear
And the shepherds and the soldiers
Lay beneath the stars
Exchanging visions
And laying arms
To waste / in the dust
In the form of / shining valleys
Where the pure air / recognized
And my senses / newly opened
I awakened / to the cry

Refrain

Where there were deserts
I saw fountains
Like cream the waters rise
And we strolled there together
With none to laugh or criticize
And the leopard
And the lamb
Lay together truly bound
I was hoping in my hoping
To recall what i had found
I was dreaming in my dreaming
God knows / a purer view
As i surrender to my sleeping
I commit my dream to you

Refrain

The power to dream / to rule
To wrestle the world from fools
It's decreed the people rule
It's decreed the people rule
Listen
I believe everything we dream
Can come to pass through our union
We can turn the world around
We can turn the earth's revolution
We have the power
People have the power ...

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Tim e Vanessa - Aos Pés do Monte

Um sentimento me ronda
Não sei dizer, tudo é novo pra mim
Meu coração se renova
Sinto a esperança invadir o meu ser
Quero ser manso, ser limpo, ser justo
E pobre de espírito ser

Tua palavra me sonda
Me conta do Reino que espera por mim
Eu te ofereço meu pranto
As dores da alma que quer renascer

Eu ouvi tua voz
Teu falar me encantou
Quis seguir, caminhar
Quis saber pra onde vou
Eis-me aqui
Minha dor serenou.

terça-feira, 7 de maio de 2013

Adoniran Barbosa - Vila Esperança

Vila Esperança, foi lá que eu passei
O meu primeiro carnaval
Vila Esperança, foi lá que eu conheci
Maria Rosa, meu primeiro amor

Como fui feliz, naquele fevereiro
Pois tudo para mim era primeiro
Primeira rosa, primeira esperança
Primeiro carnaval, primeiro amor criança

Numa volta no salão ela me olhou
Eu envolvi seu corpo em serpentina
E tive a alegria que tem todo Pierrô
Ao ver que descobriu sua Colombina

O carnaval passou, levou a minha rosa
Levou minha esperança, levou o amor criança
Levou minha Maria, levou minha alegria
Levou a fantasia, só deixou uma lembrança

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Djavan - E Que Deus Ajude 1976

Parapara
Eu vou mudar de profissão
Eu vou ser cantor
Eu vou pro Rio de Janeiro BIS
No Expresso Brasileiro
pelo mês de fevereiro
Já cansei de ser ferreiro
Seu doutor, oh seu doutor

O meu som alagoano
Conquistou americano
vivo vindo dos Estados Unidos

E pra saber meu paradeiro
Lá no Rio de Janeiro
Consultei meu padroeiro
Meu amigo
O meu amigo, o meu amigo
falou:
Vá com fé e Deus
E que Deus ajude
Que Deus te cuide
Deus não ilude

Cartola - Corra e Olhe o Céu 1974

Linda!
Te sinto mais bela
E fico na espera
Me sinto tão só
Mas!
O tempo que passa
Em dor maior
Bem maior...

Linda!
No que se apresenta
O triste se ausenta
Fez-se a alegria
Corra e olhe o céu
Que o sol vem trazer
Bom dia
Aaai!
Corra e olhe o céu
Que o sol vem trazer
Bom dia...

Linda!
Te sinto mais bela
Te fico na espera
Me sinto tão só
Mas!
O tempo que passa
Em dor maior
Bem maior...

Linda!
No que se apresenta
O triste se ausenta
Fez-se a alegria
Corra e olhe o céu
Que o sol vem trazer
Bom dia
Aaai!
Corra e olhe o céu
Que o sol vem trazer
Bom dia...

Desabafo de um desabrigado

Muitas vezes nos deparamos com desabrigados, moradores de rua e a primeira coisa que nos vem a cabeça é “se eu der dinheiro ele vai gastar com bebidas ou com drogas” e, em muitos casos é realmente o que acontece. Porém existem pessoas nessa situação que por inúmerios motivos perderam tudo, ou até mesmo já nasceram em uma situação em que não tiveram oportunidades.

Uma equipe estava fazendo uma reportagem sobre a vida dos desabrigados para uma emissora de TV de Chicago. Enquanto procurava, a equipe encontrou Ronald Davis, um morador de rua que, em frente as câmeras, fez um relato emocionante de como era seu dia a dia, que chocou a equipe.

Confira a entrevista da Ronald: